sexta-feira, 7 de maio de 2010

Para o Dia de Todas as Mães

Nesta antevéspera de Dia das Mães, resolvi escrever um poeminha para a mãe minha e todas as outras que, por destino ou escolha, exercem com perícia exemplar esse papel tão importante. Aí vai:


Mãe tinha que nascer com coração duplo
Reforçado
Que é para agüentar cada susto, joelho machucado,
Emoção contida de ver o filho crescer e ganhar o mundo
Que ela, sozinha, mal conseguiu desvendar

Mãe tinha que ser de aço!
Feito os heróis de revista em quadrinhos
Mulher superpoderosa, invencível e incansável
Com armas secretas, esconderijos e habilidades especiais

Mas acontece que mãe também é ternura, abraço apertado
Sorriso de compreensão
Coisas que precisam de suavidade para existir.
Quanta incongruência!
E, no entanto, este papel que só ela há de desempenhar
É o que a torna mais completa, incomparável e insubstituível.

Mãe é.

2 comentários:

LORIVAL disse...

Bonito como a filha

Elenice Laumann disse...

Que lindo. PS.: estou atrasada, eu sei hihi